domingo, julho 02, 2006

Reportagem fotográfica do 5º Encontra-a-Funda no Porto - a noite de S. João

23 de Junho de 2006 - cais de Gaia


Antes da meia-noite, lá estávamos na esplanada junto ao rio, no Cais de Gaia. Enquanto esperávamos pelo fogo de artifício, o Jorge Costa comprou dois balões de S. João e ensinou-nos a trabalhar em equipa para o fazer voar.

O Jorge Costa até inspirava confiança, com este ar técnico. E os balões subiram mesmo, com toda a pujança. Um deles ainda pairou por momentos em cima das pessoas que assistiam ao espectáculo da Merche Romero, no palco da RTP1, que transmitia um programa em directo num palco mesmo ao nosso lado.

[se alguém quiser receber o video desse momento, diga. São 8,06MB filmados pelo SirHaiva. É um momento histórico, com a Merche a gritar «Olha o balão!» e ele a subir, todo inchado com uma valente erecção... de ar quente!]


Com pontualidade tripeira (isto é, com um atraso do caralho), lá iniciou o fogo de artifício. O Pedro Laranjeira imaginava no céu os cabelos da Merche Romero. E consta que não era só ele...

Depois, com todo o sossego, dirigimo-nos para o tabuleiro inferior da ponte Luís I. Por mais que tentássemos ir juntos, era impossível. E todos ficámos com a impressão, ao atravessar a ponte, que estávamos bêbedos, porque tudo parecia abanar. E abanava mesmo! Aquela malta do Porto quer ter outra ponte das barcas!
[Rafaelitolindo - "A passagem da ponte não me vai esquecer tão depressa. Senti-me desmaiar... não me tivesse tranquilizado a Celeste (que também estava à rasca), dizendo-me que era a ponte que baloiçava!..."]
[Dina - "E eu? Nada mais tranquilizante que ir agarrada a um engenheiro civil que, mesmo a cambalear, desatou a correr!"]
[Jorge Costa - "E eu? Que sei que a ponte abana... mas não cai! Pela televisão! Pela televisão! Tchsss... Tchsss... palavra d'honra! Tchsss... Tchsss..."]
Na ribeira, o Jorge Costa avisou logo: «encontramo-nos do lado de lá, junto ao Cubo». Só se esqueceu que um cubo tem seis faces!


Subimos para as Fontaínhas e tratámos dos nossos aparelhos digestivos com viuvinhas, sardinhas, frango, febras e caldo verde, tudo devidamente desinfectado com lixívia.
E às 05h00m deu-se por encerrada a sesSão.

Fotos: OrCa, Pedro Laranjeira, Jorge Costa, SirHaiva e São Rosas.

8 comentários:

  1. A passagem da ponte não me vai esquecer tão depressa.Senti-me desmaiar...não tivesse a Celeste(que também estava à rasca), me traquilizado, dizendo-me que era a ponte que baloiçava!

    ResponderEliminar
  2. Isso a ti tranquilizou-te?! Eu pensei que era o filme «Ponte das Barcas - 2»!...

    ResponderEliminar
  3. E eu? Nada mais tranquilizante que ir agarrada a um engenheiro civil que, mesmo a cambalear, desatou a correr!!!

    ResponderEliminar
  4. matahary3/7/06 12:50

    E eu? Nada mais tranquilizante que estar a ver pela TV, deitadinha na cama.
    (Pelo menos não apareci de olheiras :P)

    ResponderEliminar
  5. ...e eu? que sei que a ponte abana..MAS NAO CAI!!
    ... pela televisao ! pela televisao!! Tchsss...tchsssss..palavra d'honrra !!!!!!tshssss, tshsssssssss....

    ResponderEliminar
  6. Bah, Matita!
    Bah, George Coast!

    ResponderEliminar
  7. Pois, é caso para dizer «Ó patego, olhó balão!»

    ResponderEliminar
  8. Pois, é caso para dizer «Quem não foi não viu a Merche!»

    ResponderEliminar

Tuna Tecales!