quarta-feira, novembro 14, 2007

A saga da Tuna Meliches no 8º Encontra-a-Funda - capítulo 3

Pois lá fomos a caminho do restaurante do Hotel Turismo da Covilhã, para o jantar descrito no programa do ArtCore como "Roteiro de Gastronomia Afrodisíaca e Recital de Poesia Erótico-Satiríca, com Mário de Carvalho, cuja ementa é Cogumelos com Alho e Picante, Espetada de Tamboril e Camarão com Molho Tropical, Caril de Aves com Frutas e Mesa dos Pecados, ao preço de € 20 sem bebidas, com um espectáculo de Paulo Patrício («Prédio do Vasco», TVI)".
O Rafaelito resumiu assim o momento:
"Foi realmente um fim de semana em cheio!
E para ser bem original foi do outro mundo a cena trágico-cómica dos sem-abrigo que entraram pela porta dos fundos, com uma afrodisíaca personagem feminina que, com inteligência de franga bem aperaltada, mandou chamar o mestre de sala para resolver tão delicado problema, pois não sabia como podia mandar sentar tão indigentes pessoas numa sala completamente cheia... de ninguém!
Só reunindo a direcção do hotel poderia ser resolvida questão tão melindrosa!
Por «maioria» - a franga aperaltada votou contra - foi dada a sentença, a qual foi devidamente fundamentada: devem entrar pela porta principal, para que possam ser considerados gente com princípios, meios e afins, com delicadeza, passo firme e cabeça levantada para que não levantem suspeitas. Se houver alguma falha, vão ter que sair novamente e repetir tudo novamente.
Penso que foi a São Rosas que se peidou, pois tivemos mesmo que repetir a entrada!
Uma vez entrados com sucesso, foi recomendado que não reagíssemos às anedotas ArtCore com demasiado entusiasmo, pois poderíamos incomodar o pessoal que andava a servir os frangos a nadarem em óleo a-viagra-do, tal era o rubor que nos subiu às partes podengas!
Como a sala só nos tinha a nós a ouvir tão picantes anedotas, ficámos todos cheios de vontade de lá voltar o mais rapidamente possível, principalmente o PM, para nos garantir a boa qualidade do vinho, magistralmente aberto e depositado nos copos por tão diligente agente de Baco!
Os nossos parabéns ao Hotel Turismo da Covilhã!
Nota: nunca entrem pela porta dos Piornos...
O vosso cegueta do ouvido e surdo no olhar!
Rafaelitolindo"


E agora as fotos:

O Isso Agora... e a Agora Isso... estavam eufóricos com o atendimento. Principalmente quando entrámos na sala do restaurante depois de esperarmos 20 minutos após as conversações com o Director de Serviços de Restauração e a franga aperaltada, voltámos a sair para juntarem 3 mesas numa, voltámos a entrar... e a malta que lá estava a jantar pensava que nós éramos fiscais da ASAE.



O Carlos Car(v)alho iria dizer mais tarde que até gostou da comida, mas a cara dele não enganava ninguém. Já a Fernanda, que não tinha almoçado, disfarçava melhor.



O Rafaelito comeu tudo até ao fim, com fé nos poderes afrodisíacos da ementa. Mas ele próprio confessou que na cama já eram precisos três: "Eu, ela e um macaco".



Ainda estávamos a comer e já o Paulo Patrício nos fazia companhia, com meia hora de anedotas.



Se aBerta ali estivesse, anotaria tudo para nos enviar por e-mail, tão frescas e engraçadas eram as anedotas todas, sem excepção.



Valeu-nos o Rafaelitolindo para contar a única anedota inédita da noite, sujeitando-se a ser expulso da sala pelo Director de Serviços de Restauração: "A Maçã Roda Roda".



A Olinda estava eufórica, depois de ter reconhecido no nosso grupo o padre Fontes de Vilar de Perdizes e de o ter apresentado à malta da organização do ArtCore, que se declarou honrada pela presença de tão ilustre visitante.



Depois de nos lerem e de lermos um par de poemas eróticos, fomos convidados para irmos à sede da AAUBI assistir ao filme "9 Songs" (num pequeno anfiteatro em que estavam uns 30 estudantes, dos quais metade fumava). Depois, tocámos no bar algumas das músicas da Tuna Meliches. A adesão não foi muita, mas compreende-se... esta malta nova está habituada a dizer asneiras mas não a cantá-las. No fim, tirámos uma foto com dois dos elementos da organização do ArtCore, a quem elogiámos a coragem de fazerem um evento deste tipo por trás da serra da Estrela... e no Hotel Turismo da Covilhã.

Teríamos ânimo no domingo, depois de tudo isto, para irmos até Linhares da Beira e almoçarmos no restaurante "Escorropicha, Ana!" sujeitando-nos a que o GPS da TriMargarida nos mandasse para a Ponte das Três Entradas? E que nos aparecesse na Carrapichana um Director de Serviços de Restauração e uma franga aperaltada? Só vendo o capítulo seguinte...

5 comentários:

  1. Ainda bem que fui lá...até porque há, pelo menos uma incorrecção a dest(r)acar:

    ...A aBerta não anotava nada.Ela é que mandou as anedotas para o artista do ´Prédio do Vasco, inclusivé o poema do "Cume", que, ali, nunca tinha ouvido (desculpa sonotone do Rafa, mas nunca ali tinha ouvido)!

    ResponderEliminar
  2. Paulo Moura14/11/07 22:26

    Tens toda a razão. E porque não publicas algo sobre o assunto?...

    ResponderEliminar
  3. Venha, venha o capítulo seguinte...para fazer "inveja" a quem se baldou a um fim de semana de não sei quantas estrelas1111

    Reparo, embora na altura tivesse essa sensação, que ao comer o frango, digo, ave afrodisiaca, algo me estava a crescer...daí ter fechado os olhos, para me certificar que não era sonho...mas esse crescimento não estava a ser no sitio certo e desejável!
    Agora ao ver a foto, fiquei com a certesa, que o que aumentou de volume...foi muito cá por cima, mais própriamente no queixo!
    Está realmente um queixo brilhante!
    Porque será que o filho da puta do afrodisiaco frango, me aumentou de maneira tão desmedida o queixo?
    Nã, aqui havia segundas intenções!!!!
    Quanto ao macaco...fico por aqui!
    # por rafael: 15/11/07 00:59

    ResponderEliminar
  4. aquilo foi um jantar do outro mundo, da twilight zone, da 5ª dimensão, só pode!! nao há palavras!!

    ResponderEliminar
  5. Olha que deve ter sido mesmo isso. Aliás, as nódoas na gravata amarela do Director de Serviços de Restauração eram mesmo de outro mundo!

    ResponderEliminar

Tuna Tecales!