sábado, janeiro 20, 2007

Todos ao «à Capella» no dia 10 de Fevereiro

Foto: Nuno Alegria - Jornal de Notíciasouvir e apoiar a fadista Cristina Cruz, que por ter a coragem de editar o primeiro CD de fado de Coimbra cantado por uma mulher («Coimbra Menina do Meu Olhar»), está há bastante tempo excomungada pelo KKK (Karas de Pénis de Koimbra, equivalente pseudo-moderno dos Velhos do Restelo). A Manuela Bravo já tinha passado pelo mesmo antes, quando tentou gravar em 1996 um disco de fado de Coimbra, em homenagem ao seu pai, Loubet Bravo, que foi um grande cantor deste género musical. E já muito antes, uma fadista de Lisboa, Maria Teresa de Noronha, tinha gravado um disco que incluía dois temas da canção de Coimbra, não tendo gerado na altura qualquer polémica.
Como diz Cristina Cruz, "[o fado de Coimbra] estava parado, estagnado num passado nostálgico não deixando que as pessoas dêem asas à imaginação no sentido de abrir novos horizontes, conferindo ao fado de Coimbra uma nova dinâmica".
Como antigo estudante da Universidade de Coimbra e como mostra de gratidão a essa Academia por me ter mostrado a universalidade e a pluralidade do pensamento, bem hajas, Cristina Cruz!
Só não estarei no «à Capella» [bem hajas, Matahary, pela correcção] nesse sábado se não puder.
Entretanto, irei à casa «Olímpio Medina» (gosto tanto de visitar aquela malta, sempre simpática, mesmo quando lhes gasto meia hora para experimentar e fazer perguntas sobre meia dúzia de instrumentos e depois comprar só uma palheta de setenta cêntimos...), único sítio onde o CD se encontra à venda.
Carlos Fiolhais disse: "se fosse mulher revoltava-me"...
Eu sou homem e estou revoltado!
Deliciar-me-ia tanto ir à janela ouvir uma serenata cantada especialmente para mim por uma mulher...

9 comentários:

  1. Está muito frio para ficar na rua...

    ResponderEliminar
  2. E quem disse que ela ficaria na rua?!...

    ResponderEliminar
  3. Onde é "A Cappela"?
    (santa ignorância!)

    Eu tinha quase a certeza que já havia um outro trabalho de fado de Coimbra cantado por uma mulher e que foi muito mal encarado pelos mais puristas; só não me lembro do nome da fadista.

    ResponderEliminar
  4. Pois é... Foi Manuela Bravo. O disco foi editado pela mesma editora que editou o nosso (o do coiso).
    É curioso que os meus alunos vão fazer um exame com a temática deste post...

    ResponderEliminar
  5. As mulheres pagam e os homens não?

    ResponderEliminar
  6. Já corrigi o nome do bar e acrescentei informação sobre mulheres que cantaram antes o fado de Coimbra. Mas, Antonino, não tenho ideia que o disco da Manuela Bravo tenha mesmo sido publicado...

    ResponderEliminar
  7. PM,
    achaste que eu estava a corrigir-te? Não, não estava. Estava mesmo a perguntar onde era. :(
    A "santa ignorância" era para mim, pois achei que era suposto conhecer, mas na verdade, desconheço (acho eu!).

    ;)

    ResponderEliminar
  8. Eu sei, mas quando procurava na net vi que não se escrevia assim. Aproveitei para corrigir. Aquilo é uma casa de fados na baixa de Coimbra, numa antiga capela. É muito bonito... e nunca lá fui. Se queres ver como é, vê o primeiro video deste post:
    http://tunameliches.blogspot.com/2006/11/quinteto-belle-chase-verdes-anos-ao.html

    ResponderEliminar

Tuna Tecales!